Seja bem vindo!





Seja bem vindo!

Garanto que vai gostar das informações sobre Educação Econômica e outras assuntos super atuais.

Não esqueça de se cadastrar para receber novas informações. Divulgue este blog para seus amigos. Suas sugestões serão sempre bem-vindas!

Um abraço



Maria



quarta-feira, 4 de março de 2015

5 documentários para entender o consumismo

Vejam esses documentários para ajudar a entender o porquê de necessitarmos mudar nossos hábitos, comportamentos e sermos mais críticos.
http://guiadoestudante.abril.com.br/blogs/divirta-estudando/confira-5-documentarios-que-vao-te-ajudar-a-entender-o-consumismo-no-mundo/

Confira 5 documentários legais que vão te ajudar a entender o consumismo no mundo

Carolina Vellei | 25/02/2015
Você é desses que acha que assistir a um documentário é o mesmo que pedir para ter uma morte lenta? É hora de rever essa sua ideia… O formato é ótimo para se informar, ampliar a visão de mundo e de quebra conseguir uns bons argumentos para discussões. Existem documentários muito interessantes sobre os mais diversos temas! Quer uma prova? Separamos aqui 5 opções para quem quer saber mais sobre as relações de consumo no mundo.
Para terem uma ideia de como é importante entender o assunto: o Enem 2014 cobrou como tema de redação a publicidade infantil, que tem tudo a ver com a febre do consumismo na atualidade. Sem contar as questões que sempre aparecem em vestibulares sobre isso… Depois de assistir a esses documentários, você vai tirar tudo isso de letra! Confira a lista:
“Ilha das Flores”
Se fosse para chutar uma estatística, diria que 9 entre 10 estudantes já assistiram a esse documentário na escola, de tão famoso que ele é. Mesmo que muita gente já tenha visto, é um clássico e quem não viu precisa ver. Ajuda a entender como funciona o sistema de produção capitalista, a base do consumismo. Vale a pena assistir para entender como a economia gera a desigualdade social.
Ano: 1989
País: Brasil
Duração: 13 min
Direção: Jorge Furtado

“A história das coisas” (The Story of Stuff)
Documentário essencial para entendermos o processo de produção das coisas e como o nosso consumo disparado contribuiu para destruir o planeta. Sabia que só nas últimas três décadas consumimos 33% de todos os recursos naturais da Terra? Eu sabia que devia ser um número alto, mas não TÃO assustador assim. Só descobri depois de assistir. Outras informações também vão fazer você parar e pensar… O documentário ficou tão conhecido que tem até uma versão dublada no YouTube. Se preferir, dá para assistir a essa outra versão por aqui.
Ano: 2007
País: Estados Unidos
Duração: 21 minutos
Direção: Louis Fox

“Obsolescência programada” (The Light Bulb Conspiracy)
O documentário define a obsolência programada como “o motor secreto da nossa sociedade de consumo”. A expressão define a prática corrente da indústria de determinar a duração curta para alguns produtos com o objetivo de estimular o consumo das versões mais atuais. Você vai se identificar com a situação do começo do filme rapidamente, afinal, quantas vezes já não aconteceu de precisarmos consertar um equipamento e o conserto sair mais caro do que um novo?
Ano: 2010
País: Espanha
Duração: 75 minutos
Direção: Cosima Dannoritzer

“Criança, a alma do negócio” e “Muito além do peso”
O Enem 2014 cobrou como tema de redação a questão da publicidade voltada para crianças. Se alguém assistiu a um desses documentários, com certeza teve bastante argumento! Em 2008, o Instituto Alana, em parceria com a produtora de filmes Maria Farinha, fez o documentário “Criança, a alma do negócio” para alertar sobre o resultado devastador dos apelos de mercado voltados ao público infantil e propõe uma reflexão sobre questões como ética e responsabilidade de cada um na proteção da criança frente ao consumo. Como desdobramento do assunto, em 2012 foi lançado o documentário “Muito além do peso” que coloca em debate a qualidade da alimentação das crianças e os efeitos da comunicação mercadológica de alimentos dirigida a elas.
Criança, a alma do negócio
Ano: 2008
País: Brasil
Duração: 50 minutos
Direção: Estela Renner

Muito além do peso
Ano: 2012
País: Brasil
Duração: 84 minutos
Direção: Estela Renner

___________________

quinta-feira, 27 de março de 2014

Ensino de História para o fundamental I

É com muita alegria que apresento nosso novo trabalho, um livro para professores do 1º ao 5º ano: Ensino de História para o fundamental I. Faça o download do capítulo I e conheça um pouco do livro.

Aprender História deve ser importante e estimulante para alunos do ensino fundamental 1. Com um professor preparado e um método adequado, as crianças podem ser levadas a tomar conhecimento da realidade que as cerca, a observar semelhanças e diferenças, permanências e mudanças. A partir disso, elas descobrem que todos possuem história. O maior potencial do ensino de História nessa fase é contribuir para localizar a criança no seu contexto e, assim, torná-la capaz de se reconhecer como ser humano dentro de um sistema de relações sociais que foi formado ao longo do tempo. 
Com este livro, as professoras Maria Belintane Fermiano e Adriane Santarosa dos Santos mostram como é possível desenvolver nas aulas de História atividades que articulem as diretrizes dos PCNs, materiais e suportes diversos e o respeito à realidade dos alunos. 
Unindo teoria e prática, as autoras apresentam, com base em exemplos reais, uma série de ferramentas de ensino para que todos os professores de História que desejam encontrar soluções criativas para o trabalho em sala de aula possam aplicá-las no seu dia a dia escolar.


http://www.editoracontexto.com.br/lancamentos/ensino-de-historia-para-o-fundamental-i.html

quarta-feira, 19 de março de 2014

O que ganhamos quando a televisão saiu de cena.

Achei muito interessante a experiência relatada por uma mãe sobre os filhos não assistirem TV durante a semana.
Destaco os seguintes aspectos do relato (para quem quiser ler na íntegra, o link é http://antesqueelescrescam.com/2014/02/10/o-que-nos-ganhamos-quando-a-televisao-saiu-de-cena/)

O professor alertou aos pais para que as crianças assistissem TV apenas nos finais de semana. Porque o cérebro da criança precisa do sono para assimilar o aprendizado. Se durante o dia, houve o estímulo da televisão com suas cores, informações, sons, imagens e mensagens muito fortes, o cérebro vai usar a noite para assimilar isto, não o aprendizado da escola.

A mãe realmente constatou isso.

3º  Após 6 meses, ela está muito mais cansada, mas eles ficaram mais calmos e agora têm tempo para brincar. Aqueles brinquedos no armário não são mais meras peças decorativas.

4º  A mãe estabeleceu uma rotina. Por exemplo:
- de 2 às 4 brincar livre. (E eles que se virem para achar graça em alguma coisa, se for para ficar com tédio, fica. Que problema tem isso?) De 4 às 4:30, lanche. 
de 4:30 às 5:30 colorir, pintar, desenhar, fazer um cartão para a vovó, fazer biscoito, enfim trabalhar com as mãos. 
- depois é banho, jantar e história para dormir. (Sim, sem a tv, o sono chega mais cedo) 
- A rotina pode variar: Segunda e quarta de 2 às 4 é dia de passeio. Pode ser com a babá ou avó, não importa. O que importa é a rotina. Você verá que eles poderão ajudar em pequenas tarefas domésticas.
Criança adora sentir que não está “solta”. 

A maioria das coisas que passa na TV é inadequado para as crianças. Excesso de barulho, excesso de efeitos especiais, excesso de gírias, ironia, muitas vezes excesso de bullying e excesso de publicidade.
Acredite. Sua vida vai mudar muito quando a televisão deixar de ser a protagonista da história da sua casa. As crianças param de pedir o tempo inteiro para você comprar o que viram ali e a imaginação volta para o lugar onde precisa estar: dentro delas.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

E se fosse você?! Repúdio aos atos na Índia.

Não é normal que aceitemos os estupros coletivos que estão ocorrendo na Índia. Creio que uma das maneiras é manifestar o repúdio a esse tipo de ato para que fique bem claro às autoridades que é necessário, urgentemente, medidas mais drásticas. Vejam esse vídeo, muito interessante.Vídeo indiano mostra as faces do assédio.
http://www.adnews.com.br/internet/video-indiano-mostra-as-faces-do-assedio-e-ja-tem-2-milhoes-de-views

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

O lado duvidoso do elogio

Muitas pessoas acreditam que criticar o lado negativo pode ajudar alguém tomar consciência do que faz. Isso, no entanto, só traz PREJUÍZO, especialmente, para a criança. Por outro lado, observar só o lado positivo pode trazer outro problema, impedir com que a criança não aceite novos desafios e não supere a si próprio ao longo de sua vida.
O elogio constante: COMO VOCÊ É INTELIGENTE, é tão prejudicial quanto a exacerbação do ponto negativo.
Equilíbrio na educação dos filhos é fundamental, e a utilização da linguagem descritiva auxilia muito a tomar consciência das ações sem ficar preso à juízos de valor que "medem" a criança (ou a pessoa) desnecessariamente.
Leiam essa interessante matéria
http://clinicaalamedas.wordpress.com/2013/09/02/o-que-acontece-quando-voce-fica-elogiando-a-inteligencia-de-uma-crianca/

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Publicidade de fast-food para crianças

No link http://www.upworthy.com/dear-homies-who-say-health-is-just-about-the-choices-you-make-i-present-to-you-reality?c=tkp1
é possível ver uma interessante comparação que é feita sobre as estratégias de persuasão que duas grandes redes de Fast- Food utilizam para cativar seus pequenos clientes. Basicamente elas: 
1) miram as crianças; 
2) associam felicidade com o ato de comer; 
3) 79% delas apresentam peças publicitárias em 4 grandes canais de TV, especialmente Cartoon; 
5) Investem pesado na marca para influenciar as crianças; 
6) As propagandas enfatizam o prêmio que vem com o lanche;
7) Os prêmios são: brinquedos, personagens do cinema, filmes. A publicidade para adultos sobre o lanche enfatiza: o sabor, tamanho da porção e preço.

Não há problema algum em comer um lanche. Mas, quando orientamos as crianças sobre o que está acontecendo, damos condições para que ela reflita sobre o assunto para que possa recusar ser engada.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Felicidade a todo custo. Geração Y

Ultimamente eu ando soltando o verbo. Sabe quando você cansa de ver pais APAVORADOS porque seus lindos filhos não estão felizes o suficiente?! Ninguém é responsável pela felicidade de ninguém, somos responsáveis por fazermos o melhor de nós mesmos e sermos exemplos para os outros, inclusive nossos filhos. A "genialidade", "esperteza", "capacidade infinita de ser O BOM" é uma camada superficial de verniz com a qual muitos pais revestem seus filhos e, após algum tempo, os filhotes, expostos à intempéries da vida, ficam fragilizados e perdem o "brilho", tornando-se infelizes, incompetentes e impotentes para segurar a barra que é viver dia-a-dia e se estabilizar afetiva, emocional e financeiramente. O link abaixo é ótimo, demonstra a trajetória da  geração Y e sua dificuldade em ser feliz.
Ah, a receitinha básica para educar, na minha humilde opinião, continua a mesma: limites, conversa, frustração, carinho, conversa, compartilhamento ... coisas normais, que aprendi com minha mãe.
http://qga.com.br/comportamento/jovem/2013/09/porque-os-jovens-profissionais-da-geracao-y-estao-infelizes